sábado, 16 de julho de 2016

Thrawn é recanonizado no trailer de Rebels



O Grão-Almirante Thrawn, grande vilão de Star Wars, será duplamente reintroduzido ao cânone: como vilão na terceira temporada de Rebels e protagonizando um livro que leva o seu nome.

Abaixo assista ao trailer e veja a capa do livro (escrito pelo criador do personagem, Timothy Zahn):




sexta-feira, 15 de julho de 2016

Assista ao trailer vazado de Rogue One



Confira o vídeo antes que a LucasFilm o tire do ar. A participação de Darth Vader está mais do que confirmada! Assista aqui.

Veja também um vídeo de bastidores:


segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

O Despertar da Força já fez 1 bilhão de dólares



Em apenas 12 dias em cartaz o Episódio VII já soma mundialmente 1 bilhão de dólares (544 milhões nos EUA e 546 no restante do mundo - com exceções, como a China). Parece ser uma certeza que o filme arrecadará ao menos 2 bilhões de dólares, são vários e vários recordes sendo quebrados (inclusive o de maior arrecadação no Natal, com 49,3 milhões de dólares). Adeus, Titanic.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

O Despertar da Força já está iniciando a sua fortuna


Ontem, quarta-feira, o filme abriu em 12 mercados internacionais, e já fez 14.1 milhões de dólares. A expectativa é que o filme faça 180-220 milhões no seu fim de semana de estreia, nos EUA, e 316 milhões no total.

O Episódio VII foi a maior estreia de todos os tempos na Suécia e na Noruega. Grandioso, não?

ATUALIZADO (sexta-feira, 23h): Agora a expectativa para os EUA no total do fim de semana é de 250-275 milhões de dólares, lembrando que Jurassic World fez 208,8 milhões. Há algumas horas a previsão para o total da sexta-feira era de 130-145 milhões, o que significa que é o primeiro filme a passar dos 100 milhões em um único dia. Na quinta-feira (a estreia é na sexta-feira) o filme fez 57 milhões de dólares. Isso tudo significa que os únicos competidores para este filme devem ser Titanic e Avatar. Será?

Primeiras impressões sobre o Episódio VII



Eu fui assistir à sessão da meia noite, e até agora não tive tempo para escrever algo sobre o filme. Não quero fazer uma crítica ou resenha devido ao fato de estar muito extasiado com tudo o que vi. De forma geral o que posso dizer é que para alguém não gostar muito (para dizer o mínimo) desse filme é preciso que o seu nível de exigência seja de uma galáxia muito distante outro mundo.

Para O Despertar da Força não bastava que o filme fosse bom enquanto filme, mas enquanto Star Wars, o que implica na necessidade de passar a mesma vibe que os anteriores, e isso com certeza ocorre aqui, a atmosfera está muitíssimo bem construída. A parte técnica, como todos já sabem, está impecável, unindo CGI com efeitos práticos. O elenco está muitíssimo bem, e isso não é exagero. Harrison Ford está muito bem de volta ao papel, mas Daisy Ridley e  John Boyega são o grande destaque, tanto separadamente quanto em conjunto. Não vejo aqui a necessidade de ressaltar que ela é mulher e que ele é negro, pois eles são pessoas, e devemos olhar essa inclusão como algo natural, isso não deveria nem ser algo a nos surpreender. Honestamente posso dizer que não gostei nem mais de um e nem mais de outro, os dois são verdadeiramente carismáticos, o que só me faz pensar que a saga está em boas mãos, no que diz respeito à passagem de bastão para uma nova geração. Oscar Isaac também está muito bem, e o seu personagem tem um bom senso de humor.

Adam Driver está muito bem como Kylo Ren, e traz humanidade ao personagem, que não é o mal encarnado, pois tem as suas fraquezas e inseguranças. Muitos podem não gostar, mas isso faz todo o sentido para o personagem, é preciso aceitar. O duelo de sabres está muito bem coreografado, e realmente não é tão dançado quanto na segunda trilogia, mas muito melhor do que na Trilogia Clássica.

Spoilers

Spoilers leves: Se tem alguma coisa que eu senti que faltou ser melhor explorado é a República. O quão abrangente é ela em relação à Primeira Ordem? A Resistência é como o exército oficial da República, ou apenas uma aliada à parte? Qual a sede dessa Nova República? Será que isso será mostrado nos próximos dois filmes?

Spoilers pesados: O que dizer da Capitã Phasma? Totalmente mal aproveitada. Não quero dizer isso no texto principal porque é justo que as pessoas se decepcionem com ela durante o filme, também. E quem diabos é o Snoke? A curiosidade está imensa em relação a esse misterioso gigante.

Eu estava certo sobre o Kylo Ren ser o Jacen Solo, e isso me deixa muito feliz, pois o Universo Expandido ainda vive nesses novos filmes. Se não bastasse ele ser o equivalente ao Darth Caedus do UE, o seu nome é o mesmo do filho de Luke (Ben), nessa agora realidade paralela. Podemos também considerar a semelhança do seu visual com o de Darth Revan, o sith que tanto amamos. Falta, é claro, explorar totalmente os Cavaleiros de Ren, que só aparecem na visão de Rey.

Quanto ao R2, ele só apareceu ao fim do filme, mas isso só gera um efeito ainda melhor sobre o nosso reencontro com o personagem. O BB-8, porém, faz muito bem o papel do droid carismático.

Não há muito o que dizer do Luke, a não ser o fato de que é muito bom revê-lo, e que ele está com visual muito legal. Havia todo esse mistério em torno de sua aparição, mas a verdade é que não havia mistério nenhum, no fim foi o que todos já sabiam (o que não é algo ruim, é apenas uma observação).

Também abri um sorriso enorme no rosto quando no letreiro inicial estava escrito "Episódio VII". Isso prova que essa nomenclatura apenas foi excluída do marketing, para não espantar o público que nunca assistiu a Star Wars.

Um dos spoilers eu não direi aqui (apesar de talvez um considerável número de pessoas saber, não sei), para preservá-lo melhor.

Eu não consigo parar de pensar nesse filme. Não posso dizer que excedeu as minhas expectativas, pois elas eram enormes. Posso dizer, porém, que elas foram 100% cumpridas. Meus parabéns a todos os envolvidos. Estamos vivendo algo histórico, amigos.

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

O ódio da nova trilogia e a compra da Lucasfilm



Ora, não preciso detalhar ou explicar o ódio que os fãs da saga espacial têm da nova (agora devemos chamá-la de "segunda") trilogia. Muitos se perguntam o que George Lucas estava pensando quando realizou esses três filmes. Antes de tudo já deixo registrada a minha opinião de que eu gosto da segunda trilogia; não pela qualidade dos filmes (que realmente é escassa), mas pela história (que poderia ter sido muito bem aproveitada) e pelo que ela acrescenta à saga. O período das Guerras Clônicas é simplesmente muito rico, e podemos comprovar o fato através das animações Clone Wars e The Clone Wars.

A questão é que, gostos à parte, o potencial das duas trilogias é o mesmo, só que um foi aproveitado e o outro não. Mesmo assim, porém, a riqueza do período permanece. Além disso, foi pela decisão de fazer uma segunda trilogia que Lucas decidiu nomear os filmes de Episódios I a VI. As pessoas podem reclamar o quanto puderem dessa trilogia, mas graças a ela a saga permaneceu completamente viva até hoje, quando estamos ansiosíssimos para O Despertar da Força. Após O Retorno de Jedi várias histórias foram contadas em livros, quadrinhos e jogos, mas todos sabemos (sobretudo hoje em dia) que o que mexe com o público realmente são os filmes, e depois de A Vingança dos Sith os fãs ainda foram presenteados com uma animação que durou seis temporadas, que se passava no período das Guerras Clônicas.

O que eu quero dizer é que a segunda trilogia tem fundamental importância tanto enquanto história a ser contada quanto em relação a manter a saga viva. O amor verdadeiro sempre será em relação à trilogia clássica, mas isso não deve prejudicar o que foi feito depois. O grande problema atual é que a voz que reclama da nova trilogia ecoa cada vez mais, sobretudo porque o público nerd/geek está cada vez aumentando mais, e isso cria - por falta de termo melhor - certas modas. Assim sendo, a Disney comprou a Lucasfilm, e desde então está, de certa forma, alimentando a ideia de que "esqueçamos da segunda trilogia". Obviamente não me refiro ao fato de a terceira trilogia usar os personagens da trilogia clássica (uma vez que esse sempre foi o plano de Lucas), mas a grande parte do merchandise, as HQs publicadas pela Marvel, a animação Rebels, os filmes derivados e todo tipo de pequeno detalhe sumiram com a trilogia dos anos 2000. Isso chega ao ponto de o novo filme não ter "Episódio VII" no título, porque na trilogia clássica não havia essa nomenclatura. Os personagens da segunda trilogia só permanecem presentes nas linhas de action figures da Hasbro porque a empresa fabrica todo o tipo de personagem relacionado à saga, até os mais desconhecidos.

Ressaltar a trilogia clássica e tudo o que a envolve é muito bom, mas não devemos nos esquecer das outras coisas que George Lucas fez, pois querendo ou não, ele é o criador da saga. Talvez com essa ideia de filmes derivados a Disney faça um filme no período da República, e assim prove que o problema é a forma como os filmes foram feitos, apenas. Tudo menos um filme solo do Han Solo, por favor.